Conto infantil vem colorir a temática da deficiência
Publicado por: Cercimarante Em: 10 de Janeiro de 2017

Conto infantil vem colorir a temática da deficiência

   
   

O objetivo era simples e passava por desconstruir ideias pré-concebidas sobre a temática da deficiência. Para isso, os autores e colaboradores da Cercimarante, Dionísia Carvalho e Nuno Araújo criaram a personagem “Lourenço”, um menino especial que dá vida a um conto infantil, cheio de sonhos e cor, e que foi apoiado por esta Cooperativa para a educação e reabilitação de cidadãos com incapacidades. “Ao longo do livro, passamos várias mensagens que vão culminar numa mensagem final. Essencialmente, aquilo que todos sabemos mas que, por vezes, esquecemos, é que somos todos iguais e que é possível encontrar sonhos e sorrisos na diferença. Podemos tornar a deficiência colorida, pois não tem que ser vista como algo mau. A sociedade é que tem essa ideia pré-concebida. Por isso, se uma criança [Lourenço] consegue desconstruir, ao longo do livro, essa visão, porque não qualquer um de nós?”, lança o desafio Dionísia Carvalho. Também Nuno Araújo salienta a pedagogia deste conto: “Pensamos, desde logo, em desenvolver uma história que marcasse pedagogicamente; que fosse um alerta para determinada problemática; que pudesse sensibilizar a comunidade. A mensagem que se pretende passar é simples: agirmos com a consciência de que, mesmo na diferença, somos todos iguais”. “Lourenço e o mundo dos sonhos” foi o título escolhido pelos autores, que criaram esta história para participar num concurso nacional de escrita infantil. Apesar de não o terem vencido, não quiseram “que este conto ficasse na gaveta”. Lourenço é, assim, um menino especial, “que procura, através dos sonhos, interpretar a realidade que o rodeia e conhecer-se a si próprio. É uma viagem a mundos imaginários, cheios de cor e de sons onde se cruzam várias personagens, mostrando que é possível viver, mesmo na diferença, de igual para igual”. Como esclarecem, a escolha da temática da deficiência surge ligada à atividade profissional de ambos. Dionísia é formadora da componente de Formação de Base de Linguagem e Comunicação e Cidadania e Empregabilidade, no Centro de Formação e Reabilitação Profissional (CFRP) da Cercimarante, e Nuno é formador da componente tecnológica do curso de Assistente Administrativo/a, também no CFRP. “A nossa atividade profissional, enquanto colaboradores da Cercimarante, teve, como é óbvio, um peso acrescido em toda a envolvência do livro. Termos consciência em relação ao que estamos a escrever é muito importante, para que as ideias surjam de forma mais realista e intimista. O dia-a-dia com os formandos e clientes é bastante enriquecedor e faz-nos ver, cada vez mais, que é na diferença que somos todos iguais”, explicam os autores. E foi, precisamente, esta convivência com pessoas com deficiência e/ou incapacidades que inspirou os autores no processo de criação de algumas das personagens deste conto infantil, como partilham: “Algumas personagens têm traços físicos e características de jovens com quem trabalhamos. No fundo, foi pegar na realidade e no mundo imaginário e misturá-los, agitá-los. E acaba por ser uma celebração com todos eles”. Sobre a questão da sensibilização para a temática da deficiência poder e dever começar pelas crianças, Dionísia e Nuno clarificam os seus pontos de vista. “Ninguém melhor do que as crianças para perceber a temática da deficiência. As crianças podem ser direcionadas por caminhos certos, de modo a fazerem boas escolhas, podendo agir de forma mais consciente e humana, no futuro. Estão recetivas a aceitar a diferença. Penso que a literatura infantil desempenha um papel importantíssimo, no desenvolvimento das crianças. Através da leitura, podemos passar mensagens e desenvolver o espirito crítico. Por outro lado, fomentar a imaginação e o sonho. Ao começarmos esta sensibilização pelas crianças, pode ser também uma forma de as fazer crescer e fazê-las ver que aquela menina ou aquele menino, pelo facto de andar de forma diferente ou ser irrequieto, tem os mesmos direitos e deveres que todos”, referem. A convite de Dionísia e Nuno, as ilustrações de “Lourenço e o mundo dos sonhos” foram elaboradas pela ilustradora e pintora Verena Basto. “A ilustração infantil sempre foi uma coisa que queria fazer, e estou agradecida aos autores por me terem convidado”, diz.
Questionada sobre se foi desafiante imaginar o pequeno “Lourenço”, e todas as outras personagens que dão vida a esta colorida história, a ilustradora mostra que sim. “Li o texto e preparei umas ideias. Gostei da história, e foi muito desafiante e enriquecedor imaginar as personagens e criá-las, pensando em todas as suas características físicas e de personalidade”.
Num total, Verena Basto criou oito ilustrações, e a referente à capa do livro ofereceu à Cercimarante. As restantes encontram-se, neste momento, expostas e à venda em alguns estabelecimentos e associações de Amarante.

Livro apoiado pela Cercimarante
A apresentação pública de “Lourenço e o mundo dos sonhos” teve lugar a 21 de dezembro último, no auditório do CFRP da Cercimarante.
Como esclareceu, na sua intervenção, o presidente do Conselho de Administração (CA), Carlos Pereira, “A Cercimarante, enquanto entidade com responsabilidade social, entendeu que esta iniciativa, desde logo, era merecedora de um total apoio”. Ao mesmo tempo, destacou “a importância de sensibilizar a comunidade para a problemática da deficiência, sendo este livro também um contributo para a promoção da inclusão”.
Carlos Pereira deixou, igualmente, expresso que, “este poderá ser um ponto de partida para dar continuidade a outros projetos semelhantes, sobre a problemática da deficiência”.
Para além dos autores e da ilustradora, esta apresentação pública contou com a presença do presidente do CA, Carlos Pereira, e do fundador número um e ex-presidente da Cercimarante, António Pinto Monteiro que, a convite dos autores, escreveu o prefácio.
Na reta final da apresentação de “Lourenço e o mundo dos sonhos” que contou, ainda, com a presença de clientes, formandos, colaboradores e demais órgãos sociais da Cercimarante, mas também várias individualidades de Amarante, foram lidos alguns excertos do livro, pela jornalista Telma Pinto Ferreira, que foi acompanhada pela violinista Joana Azevedo.
O livro está à venda na Cercimarante, mas também pode ser adquirido na Livraria Tulipa e na Associação Gatilho, em Amarante.

  

  

 

 

 

Próximos Eventos

More Events

Facebook